Católicos debatem vocações e vida em comunidade em agosto

Redação Por: Redação

Cidades Diversas

221 Visualizações

Publicado em 12/08/2017 08:57h

Católicos debatem vocações e vida em comunidade em agosto

Tradicionalmente, pelo calendário da Igreja Católica, agosto é considerado o mês das vocações. Neste período, os fiéis são convidados a refletir e se espelhar no exemplo de Nossa Senhora de Nazaré. Instituído pela Conferência Nacional Dos Bispos do Brasil (CNBB), o mês vocacional este ano tem como tema “A exemplo de Maria, discípulos missionários” e o lema “Eis-me aqui, faça-se!”.

“É um mês muito importante, em que lembramos todas as vocações na vida da Igreja, comunidade e sociedade”, esclarece o bispo diocesano de Marabá, dom Vital Corbellini. Com essa celebração, a CNBB pretende levar a oração pelas vocações às comunidades eclesiais, paróquias e dioceses.

Segundo ele, no primeiro domingo do mês, 6 de agosto, foi lembrado o Dia do Padre e a vocação da vida sacerdotal. O Dia dos Pais, comemorado neste domingo (13), será de reflexão nas paróquias. “Trataremos da questão do matrimônio. Do homem e da mulher, que assumem a vocação e constituem uma família”, diz.

No terceiro domingo, dia 20, será abordada a vida religiosa, conforme revela dom Vital. “Em que estão todos aqueles e aquelas que seguem os votos de castidade e obediência e que, portanto, vivem na igreja e na comunidade”. Nesta data, a Igreja lembra-se também das pessoas que assumem uma missão dentro da comunidade.

No último domingo do mês, 27 de agosto, os catequistas são celebrados no meio cristão. “Esse serviço muito importante no meio da Igreja, de serem catequese, de anunciarem a palavra de Deus, introduzirem as pessoas para o chamado cristão, em amor a Igreja e fidelidade ao Senhor”, declara.

Vocação sacerdotal

O Seminário Menor Jesus Misericordioso, da Comunidade Nossa Senhora Aparecida, no Bairro Liberdade, recebe os jovens que buscam viver a vida sacerdotal. O bispo dom Vital lembra que a vocação para o sacerdócio surge após o chamado de Deus. 

“É uma graça, é Deus quem chama. Então, um jovem hoje, quando ele sente este chamado do Senhor, ele vai trabalhar na comunidade. Vai viver a sua fé, sendo orientado por um padre ou por um bispo, ele vai caminhando rumo a esta vida sacerdotal. A jovem que sente o chamado de ser religiosa, também vai sendo orientada pelas irmãs e pelos próprios sacerdotes”, frisa, lembrando que quem escolhe esse estilo de vida abdica de algumas coisas, assumindo os votos de pobreza, castidade e obediência à Igreja.

Comunidade

Em entrevista ao CORREIO, o bispo diocesano de Marabá também disse que vem buscando a aproximação dos jovens com a comunidade e a religião. “Estamos insistindo para que o jovem participe da comunidade. E que ali possa rezar, conhecer Jesus, ingressar no sacramento do Batismo, Crisma e Primeira Eucaristia”, confirma.

Conforme explica, o contato comunitário é importante para impedir que as pessoas se isolem do convívio social. “Nós estamos cumprindo aquilo que a Igreja pede, de seguir os mandamentos de Deus. Não podemos ficar alheios, temos que nos engajar na vida em comunidade”.

(Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

 

 

Comentários

Deixa seu comentário abaixo sobre esta notícia: