Foto: reprodução

As seleções de França e Bélgica entrarão em campo nesta terça-feira no estádio Krestovsky, em São Petersburgo, para disputar a primeira de duas semifinais da Copa do Mundo, com o objetivo de fazerem história no torneio.

FUTURO POSTAGEM KIDS
TH SISTEMAS
FUTURO MELHOR REDACAO
FUTURO MELHOR POSTAGEM
ALICERCE

A bola rolará a partir de 15h (de Brasília), e estarão frente a frente uma equipe que pode se tornar na maior finalista da competição nas últimas duas décadas e uma seleção que tenta chegar de forma inédita à decisão.

Os franceses foram campeões mundiais em 1998, exatamente na primeira vez que chegaram à uma final de Mundial, e foram vice-campeões oito anos depois, derrotados pela Itália, em jogo marcado pela cabeça do meia Zinedine Zidane no zagueiro Marco Materazzi.

Ao lado de Brasil e Alemanha, também com um título e um vice-campeonato cada, é a seleção com mais decisões neste espaço de 20 anos e pode se isolar no posto se bater os Diabos Vermelhos e se garantir na decisão de domingo.

Já a Bélgica tenta se tornar a 13ª seleção a disputar o troféu em 21 edições da competição. O melhor desempenho belga foi em 1986, quando Jean-Marie Pfaff, Eric Gerets, Enzo Scifo, Jan Ceulemans, Franky e Leo Van der Elst e companhia cairam nas semifinais e acabou na quarta colocação.

Para chegar ao feito inédito, 32 anos depois da sua melhor campanha, os Diabos Vermelhos têm uma geração de ouro, comandada pelo espanhol Roberto Martínez, capaz de reunir talentos como Kevin de Bruyne, Eden Hazard, Romelu Lukaku, e utilizá-los da melhor forma possível.

A última vítima da chamada “ótima geração belga” foi a seleção brasileira, surpreendida com as alterações do treinador e um diferente posicionamento dos jogadores em campo. Os comandados por Tite acabaram derrotados por 2 a 1, sexta-feira, se despedindo da Copa.

Os comandados por Martínez passaram pela primeira fase com autoridade, com três vitórias em três jogos, com Lukaku marcando quatro gols. O goleador, no entanto, se mostrou muito mais que um finalizador, sendo peça vital na virada sobre o Japão, nas quartas de final, ao comandar contra-ataque que resultou no gol da virada.

Diante da seleção brasileira, veio a prova final de a Bélgica pode finalmente confirmar o potencial que tem. A vitória por 2 a 1 a manteve como única seleção a ostentar o aproveitamento de 100% na competição.

Para o duelo com os franceses, o lateral-direito Thomas Meunier é a única baixa, já que o jogador do Paris Saint Germain levou o segundo cartão amarelo no jogo passado e está suspenso. O resto do elenco está em boas condições, inclusive o meia Nacer Chadli e o atacante Adnan Januzaj, que se recuperaram problemas físicos.

O atacante Yannick Carrasco, que vem atuando como ala-esquerdo e ficou de fora contra o Brasil por opção do técnico, deve voltar a ser titularidade. O jogador do Dalian Yifang deve voltar a ocupar o lado canhoto, enquanto Chadli, que o substituiu na sexta-feira, atuaria pelo lado oposto.

Outra opção seria a Bélgica voltar a atuar com linha de quatro defensores, tendo Toby Alderweireld na lateral-direita, Vincent Kompany e Jan Vertonghen na zaga, e Carrasco, Chadli ou Thomas Vermaelen na lateral-esquerda.

A seleção francesa também chega embalada e cheia de otimismo, após as vitórias com autoridade sobre Argentina e Uruguai, pelas oitavas e quartas de final, respectivamente. Vale lembrar que os ‘Bleus’ não chegam com 100% de aproveitamento devido o empate “de compadres” com a Dinamarca, pela última rodada do grupo C.

A grande esperança dos campeões mundiais em 1998 tem apenas 19 anos: o atacante Kylian Mbappé. A joia do Paris Saint-Germain despontou exatamente nas partidas mais importantes dos franceses e aumentou a confiança da equipe, que também conta com grandes talentos como o atacante Antoine Griezmann e o meia Paul Pogba.

O time comandado por Didier Deschamps não tem baixas e ainda conta com a volta do meia Blaise Matuidi, que não enfrentou os uruguaios por acúmulo de cartões amarelos. O experiente jogador deverá retornar ao 11 inicial, mandando Corentin Tolisso de volta para o banco.

Prováveis escalações:.

França: Lloris; Pavard, Umtiti, Varane e Lucas Hernández; Kanté, Pogba, Mbappé, Griezmann e Matuidi; Giroud. Técnico: Didier Deschamps.

Bélgica: Courtois; Alderweireld, Kompany, Vertonghen; Chadli, Witsel, Fellaini, De Bruyne e Carrasco (ou Vertonghen); Hazard e Lukaku. Técnico: Roberto Martínez.

Árbitro: Andrés Cunha (Uruguai), auxiliado pelos compatriotas Nicolas Taran e Mauricio Espinosa.

Local: Estádio Krestovsky, em São Petersburgo (Rússia).

(EFE)

DEPNEUS
ROMANCE FAVORITA
RADIO CORREIO HORIZONTAL
TH SITES HORIZONTAL